segunda-feira, 7 de março de 2011

É normal ser normal.

                                                         Weslei Odair Orlandi
Pastor da IPR de Guaíra - Pr

Você já se sentiu inquieto ou esquisito por ser apenas “normal”? Lembro-me de já ter me sentido assim algumas vezes. Quando iniciei meu ministério sentia-me pequeno diante daqueles que narravam grandes histórias. Nasci num lar cristão, meus pais nunca se separaram, em casa nunca faltou comida, nunca vi meu pai desempregado, nunca roubei, nunca matei, nunca fui preso. Evangélico de berço fui levado desde cedo para a escola bíblica o que me manteve sempre afastado de rituais macabros. Logo, nunca tive “testemunhos” fantásticos para contar. Confesso: isso me fez sentir acuado algumas vezes. Queria ter alguma história “interessante” para contar.
         Também já me senti desconfortável com o sucesso, talento e popularidade dos outros enquanto eu não passava de um reles mortal. Creio que com um pouco de honestidade todos acabaremos admitindo já ter tido essas crises pelo menos uma vez na vida. Inúmeras vezes e pessoas já fizeram perguntas do tipo “por que eu não sou diferente? Por que eu não sou o(a)  mais bonito(a) da sala? Por que nunca me aplaudiram? Por que não sou famoso e rico? Por que não tenho uma voz extraordinária? Por que não sou um grande orador? Por que não consigo escrever livros? Por que Deus não me usa para fazer grandes milagres? Por que não pastoreio uma grande igreja e não ganho um excelente salário? Por que tenho que levantar cedo todos os dias, trabalhar muito e ganhar pouco?” A lista de perguntas poderia ficar cada vez maior, mas por ora basta. Cada um tem sua lista o que é compreensível.
         Eu já fiz essas perguntas. Hoje não faço mais. Aprendi que ser normal é normal. Aliás, aprendi que não são os grandes talentos, predicados e popularidade de uma pessoa que impressionam Deus. Isso nada é aos Seus olhos.
         Foi lendo – acredite – as desprezadas e complicadas genealogias da Bíblia que alcancei minha libertação. Vi que elas não estavam ali apenas ocupando espaço e desafiando aqueles que se propõem a ler a Bíblia inteira versículo por versículo. Percebi que a lição proposta por aquelas listas intermináveis de nomes impronunciáveis estava não no que lia, mas no que não lia, isto é, no que por falta de motivos justificáveis não foi narrado.
         As genealogias deixaram de ser inúteis; elas me mostraram que todos têm uma origem, seja ela qual for, e que somos o resultado inegável daqueles que foram antes de nós.
         As genealogias deixaram de ser inúteis; elas me lembraram que a história da humanidade sempre foi e sempre será construída a partir de milhares de micro histórias de pessoas cujas realizações nunca foram e nem nunca serão contadas. Quem foram elas? Que nome seus pais lhes deram? O que elas fizeram? Quais foram seus sonhos? O que realizaram? A quem amaram? Por que choraram e também riram? A resposta é que simplesmente não sabemos. Muito pouco ou nada sabemos sobre nossos bisavós e tataravós. Quem foram seus primos, amigos, tios e avós?
O mundo já acolheu bilhões de pessoas até hoje, mas apenas algumas centenas delas tornaram-se alvos dos biógrafos e historiadores.
         As genealogias deixaram de ser inúteis; elas me auxiliaram com a compreensão de que o normal da vida é ser normal. O ser pífio não é crime nem sinônimo de incompetência; é apenas não fazer sucesso, não distribuir autógrafos e não ser alvo dos holofotes. É normal fazer coisas corriqueiras como brincar, crescer, estudar, trabalhar, amar, casar, ter filhos, envelhecer, morrer e nunca mais ser lembrado senão por alguns e por alguns anos. Cair no esquecimento dentro de algumas décadas é o que está reservado para a maioria. Essa é a regra, não a exceção.
         Não sofro mais com a ausência de histórias emocionantes e homéricas. Contento-me agora em ler a história de terceiros enquanto a minha não vai além do simplesmente trivial. Aprendi a viver um dia de cada vez. Acalmei meu coração e sou grato a Deus pelo que sou e pelo que não sou. Procuro ser o melhor normal possível entre os anônimos que me rodeiam. No meu pacto com a vida não há mais uma cláusula que priorize o estrondoso. Quero apenas desempenhar com alegria, excelência e amor a tarefa que me for confiada, seja ela qual for.

2 comentários:

  1. Pastor que maravilhoso texto, realmente um dia acho que todos nos perguntamos porque alguns são tão aclamados e outros não, inclusive nós mesmos quem nunca passou por uma dessas crises, mais acho que nós como servos de Deus temos que nos colocar a disposição do Senhor e pedir pra que ele nos use cada dia mais e querer sempre mais unção, autoridade e amor para que possamos ir além das fronteiras que estão a nossa frente um grande abraço...wagner barros - presbitero da IPR de Angatuba-sp
    http://saude-e-eternidade.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Paz do Senhor,

    Parabéns, pelo seu trabalho neste blog. Que Deus em Cristo Jesus continue lhe abençoando poderosamente.

    Estou seguindo o vosso blog.

    Aproveito pra lhe convidar a visitar meu blog também. Avivamento pela Palavra é um blog voltado aos amantes da Bíblia sagrada como Verdade Absoluta e que só através Dela seremos mais crentes e mais cheios do Espirito Santo. Comente, pois seus comentários são muito importante para mim poder estar sempre em melhorias no meu blog.

    http://www.alexandrepitante.com/

    Siga-nos também.

    Fica com Deus.
    Abraço em Cristo, Alexandre Pitante.

    ResponderExcluir